Notícias

05/12/2017 - FOGO NÃO QUEIMA?

  •  FOGO NÃO QUEIMA?

     Fonte: Opinião - O Dia

    Geraldo Vila-Forte Machado (Presidente do Sindicato dos Auditores da Receita Estadual)


      O governo está diante de uma missão ingrata. Ele tem de convencê-lo de que você viverá melhor se aceitar perder dinheiro. Difícil, não?

      A Reforma da Previdência está na pauta do dia. De um lado, o governo e o assim chamado mercado jogam duro na aprovação, apavorando a população com a ideia de que o Brasil vai quebrar se nada for feito. De outro lado, a oposição alerta e boa parte da população já parece concluir que as coisas não são bem assim, que a Previdência é superavitária, que não há risco de quebra e por aí vai. Quem estaria com a razão?

      Não abordaremos questões técnicas mais profundas. Quem estiver interessado pode recorrer a uma consulta no Google, há centenas de artigos tratando do assunto, tanto a favor como contra.

      Porém, vale observar o tema por um prisma político. Um segmento da oposição bate na tecla de que a reforma pretendida em português claro: a redução dos seus benefícios não visa a nada mais do que retirar dinheiro de toda a população para transferi-lo ao grande capital, não apenas ao permitir que sobre mais dinheiro para o pagamento da dívida pública, mas tamb4ém ao garantir que o mercado das aposentadorias privadas seja ampliado ad infinitum. Isso seria uma tese falsa, formulada por alguns extremistas de esquerda raivosos? Achamos que não. Primeiramente, porque obedece aos preceitos do Consenso de Washington, que vêm sendo seguidos religiosamente por todos os governos.

      Em segundo lugar, e talvez mais importante, os fatos trazidos à luz após a crise financeira de 2008 demonstram que o grande capital não hesita nem um pouquinho em recorrer até mesmo a fraudes quando o assunto é surrupiar o seu dinheiro. Aliás, a simples perspectiva de que a reforma venha a ser aprovada já levou os bancos a vender mais de 1 milhão de planos de previdência. Cuidado, portanto.

      Há outro motivo. O governo está diante de uma missão ingrata. Ele tem de convencê-lo de que você viverá melhor se aceitar perder dinheiro. Difícil, não? Isso seria mais ou menos como persuadir as pessoas de que fogo não queima. Mas mentir não vale, não é? Não valeria se tivéssemos outro governo, esse que está no poder não titubeia nem um pouco se tiver de mentir. Tanto assim que o Judiciário suspendeu a propaganda governamental justamente por isso (processo 1016921-41.2017.4.01.3400). Coisa feia, não?

      Além do mais, a exemplo dos melhores regimes totalitários, escolhe um inimigo para desviar a atenção da população. Alega que o maior objetivo da reforma é corrigir as injustiças cometidas pelos malvados servidores públicos. Mentira grosseira. Mas ainda que fosse verdade, o governo não faz a você a pergunta básica: a fim de que sejam corrigidas as tais "injustiças", você aceita perder dinheiro?


    Nota do SINDAUT:

      O Sindicato avalia que é importante o acompanhamento das notícias fornecidas pelos meios de comunicação sobre a reforma da Previdência que está para ser votada no Congresso. A propaganda massiva a favor da reforma parte do governo, dos empresários, até do FMI. A matéria publicada no jornal “O Dia” de hoje fornece importante contraponto ao que tem sido colocado. Segundo o Auditor da Receita Federal, Geraldo Vila Forte Machado, a reforma pretendida pelo governo reduz benefícios, não visando nada mais que retirar dinheiro da população para transferi-lo ao grande capital.



ÚLTIMAS NOTÍCIAS

14 Dezembro 2017

DÍVIDA TRABALHISTA POR LINGERIES Mais de 26 mil peças de moda íntima da empresa Duloren se...

12 Dezembro 2017

AVISO DE RECESSO A Diretoria do SINDAUT comunica aos trabalhadores que no dia 15/12 (sexta...

11 Dezembro 2017

TRABALHADORES DA VOLKS APROVAM TAXA PARA QUEM NÃO FOR SINDICALIZADO O Sindicato dos Metalú...

08 Dezembro 2017

REAJUSTE PELO INPC MAIS GANHO REAL DE 3% Diretores do SINDAUT junto com os trabalhadores d...

07 Dezembro 2017

O Procurador do Trabalho João Carlos Teixeira, determinou o arquivamento do processo em qu...