REFORMAS DO GOVERNO BOLSONARO NÃO RECUPERAM ECONOMIA E RETIRAM DIREITOS

As chamadas reformas propostas pelo governo não têm capacidade de promover o crescimento econômico, ao contrário, devem aprofundar desigualdades e retirar direitos

“Em face da crise brasileira e sua resiliência, somente o Estado é capaz de levar adiante um conjunto de políticas anticíclicas que não apenas atuem sobre o nível de atividade econômica, senão que proteja os mais vulneráveis da dinâmica recessiva.” Esta é uma das conclusões do documento A economia brasileira na berlinda da crise da Covid-19: balanço e perspectivas para 2021, publicado nesta semana pelo Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa (IREE).

A aposta do governo Bolsonaro é nas chamadas reformas, que contam com apoio expressivo de parte da mídia tradicional. Um cronograma da votação já estaria acertado para a votação das principais propostas de interesse da equipe econômica, segundo declarou na quinta-feira (4) o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). “O governo está com tudo programado, já tem a receita de como combater os efeitos da pandemia. Mas estamos absolutamente sintonizados com o Ministério da Fazenda, com o governo federal, com a pauta das reformas”, disse.


“As reformas, que se tornaram um mantra, sozinhas têm muito pouca eficácia. Esse discurso que apela para a aprovação das reformas estruturais, dissociado de um plano de retomada do crescimento econômico que passe sobretudo pela política fiscal, é um passo para o fracasso. Inclusive empiricamente já pudemos comprovar como foram outras reformas, como a previdenciária, a trabalhista e a Lei do Teto de Gastos, que encarnaram por um certo tempo essa possibilidade de recolocar o Brasil no trilho do crescimento econômico e se mostraram fracassadas”, avalia a mestre e doutora em desenvolvimento econômico na Unicamp, também economista-chefe do IREE Juliane Furno à RBA.

Caminhos da retomada

O avanço da imunização contra a covid-19 pode fomentar as relações comerciais no cenário global e beneficiar o país do ponto de vista econômico. “Como possível facilitador da retomada, o comércio externo pode exercer influência positiva sobre o desempenho da economia brasileira em 2021. A vacinação em massa nas principais economias mundiais tem o potencial de criar espaço para uma aceleração da atividade global, podendo impulsionar a economia brasileira tanto pela possível retomada e intensificação dos fluxos de capitais e investimentos externo nos países emergentes, quanto pela expansão da demanda mundial”

Escrito por: Glauco Faria, para a RBA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

A Diretoria do SINDAUT informa a todos os trabalhadores que está aguardando a definição do índice do INPC de janeiro (data base da categoria) para assim, fechar o índice oficial de reajuste da categor...
Fonte: Agência O Globo O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, afirmou nesta quarta-feira que o valor salário mínimo continuará em R$ 1.302 até, pelo menos, maio deste ano. Segundo ele, possíveis altera...
Rio tem 5.316 ofertas de empregos e estágios   Rio - O mercado de trabalho do Rio de Janeiro oferece esta semana 5.316 oportunidades de trabalho e estágio para profissionais e estudantes de difer...
A cebola teve aumento de 130% Rio tem a 4ª cesta básica mais cara do país   A cesta básica no Rio de Janeiro teve um aumento de 12,98%, na comparação entre dezembro de 2021 e dezembro de 2022. O...
O SINDAUT INFORMA QUE NÃO HAVERÁ EXPEDIENTE NOS DIAS 23, 26 E 30 DE DEZEMBRO