Nova edição do Jornald do SINDAUT

NOVO JORNAL DO SINDAUT

Edição Dezembro/janeiro 2017/fevereiro 2018

clique no link abaixo e confira


------------------------------------------------------------------------------

REAJUSTE PELO INPC MAIS GANHO REAL DE 3%

Diretores do SINDAUT junto com os trabalhadores decidem a pauta de reivindicações

Em assembleia realizada no SINDAUT, dia 06 de dezembro, os trabalhadores aprovaram a pauta reivindicatória com a reposição do INPC (inflação dos últimos 12 meses) mais 3% de ganho real o mesmo reajuste aplica-se ao tíquete refeição e auxílio alimentação. A data base é 1º de fevereiro. Ainda se decidiu pela manutenção de cláusulas sociais e econômicas do acordo anterior: plano de saúde/seguro saúde, anuênio, pagamento de horas-extras, PLR e  auxílio creche. Foi decidido ainda que, na Convenção de 2018, será proposta a obrigatoriedade de homologação da rescisão contratual no Sindicato, além de garantir no acordo coletivo que a contribuição assistencial será cláusula obrigatória para manter o atendimento jurídico gratuito e serviços sociais prestados, entre outros.  Nesse período de transição para a nova lei trabalhista, os sindicatos estão estudando formas de captar recursos, já que o chamado imposto sindical não existe mais desde 11 de novembro.

            Fernando Bandeira, presidente do SINDAUT, ressaltou os efeitos nocivos que a nova Lei Trabalhista tem provocado nas relações de trabalho entre patrões e empregados. Considerou que tanto a nova lei trabalhista, como a proposta da reforma da Previdência retiram direitos conquistados o que torna necessária a maior participação dos trabalhadores. É preciso que a categoria mais do que nunca esteja presente nas negociações para a próxima Convenção Coletiva. Este foi um ano marcado por ataques diretos aos nossos direitos. Lutaremos para manutenção daquilo que já foi conquistado disse Bandeira.

Segundo Wagner Santana, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista, se o trabalhador se opuser ao desconto da contribuição assistencial não poderá se beneficiar do acordo em nenhum ponto ou seja, não ganha reajuste e nem a participação nos lucros e resultados (PLR).

Negociação coletiva ganha mais força  

            A nova lei não tirou dos trabalhares direitos como férias, décimo terceiro, aviso prévio, estabilidade, entre outros direitos assegurados na CLT. A possibilidade de mudança e adequação nos dispositivos da legislação trabalhista nos limites estabelecidos é sem dúvida uma garantia que o Sindicato tem para com os trabalhadores. Neste contexto o papel do SINDAUT passa a ter importância muito maior na solução das divergências que hoje sobrecarregam as Varas do Trabalho. 

Contribuição para fortalecer a categoria

            Se o papel dos sindicatos passou a ser mais importante neste momento de transição, aumentou também a responsabilidade em bem conduzir campanhas salariais para a construção da Convenção Coletiva de Trabalho, assegurando melhores negociações para a categoria. Neste sentido, a contribuição sindical acordada na Convenção é fundamental para o fortalecimento e manutenção dos sindicatos.CLIQUE NO LINK ABAIXO E CONFIRA A NOVA EDIÇÃO DO JORNAL DO SINDAUT.





ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ATENÇÃO TRABALHADORES PIS/PASEP LIBERADO NÃO PERCA TEMPO RETIRE SEU DINHEIRO Através de um decreto presidencial o trabalhador que se enquadra nas condições contidas no documento desta publicação tem a...
O SINDAUT participou da audiência sobre “Demandas Repetitivas e Grandes Litigantes” na justiça do trabalho. O objetivo da Audiência Pública foi discutir e ouvir sugestões sobre os problemas dos grande...
O seminário ocorreu no auditório Juracy Martins dia 11 de junho, promovido pela Nova Central Sindical dos Trabalhadores, seção Rio. Contou com as presenças de José Calixto Ramos e Sebastião José, resp...
Ele é o relator de ao menos 18 ações no STF que contestam mudanças Por Felipe Pontes - Repórter da Agência Brasil O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse hoje (30) ver razão...
Organização vai avaliar se o governo infringiu alei com as mudanças na CLT