Notícias

25/10/2018 - CARTEIRA VERDE E AMARELA: O FIM DOS DIREITOS TRABALHISTAS

  • Por Sérgio Batalha é advogado trabalhista e mestre em Direito

    Os trabalhadores antigos seriam progressivamente dispensados para serem substituídos por trabalhadores com a famigerada 'carteira verde e amarela'. Não se trata de mera suposição, tal fato histórico ocorreu no Brasil quando em 1966 se instituiu a 'opção' entre o regime do FGTS e o regime da estabilidade decenal.

    Essa é a proposta do Candidato a presidência da República Jair Bolsonaro.

    De fato, em primeiro lugar, se tal proposta fosse implementada não haveria "escolha" alguma. Os empregadores só ofereceriam, por óbvio, empregos com a tal carteira "verde e amarela", impedindo os novos trabalhadores de receberem a proteção prevista na CLT. Mas não é só.

    Os trabalhadores antigos seriam progressivamente dispensados para serem substituídos por trabalhadores com a famigerada "carteira verde e amarela". Não se trata de mera suposição, tal fato histórico ocorreu no Brasil quando em 1966 se instituiu a "opção" entre o regime do FGTS e o regime da estabilidade decenal.

    O resultado foi que todos os novos empregados tiveram de "optar" pelo regime do FGTS, extinguindo paulatinamente o regime da estabilidade decenal. A Constituição da República prevê em seu artigo 7º apenas alguns direitos essenciais, como o FGTS, férias, 13º salário e etc.

    Já a CLT prevê direitos ao trabalhador como a caracterização da relação de emprego, a proteção contra fraudes, condições perigosas ou insalubres de trabalho, direitos específicos de inúmeras categorias diferenciadas (como professores, jornalistas, médicos, etc.), além de detalhar os direitos previstos de forma genérica na Constituição.

    A exclusão do regime da CLT provocaria uma imediata precarização das relações de trabalho e a perda de inúmeros direitos pelos trabalhadores, até porque, dada a natureza da relação de emprego, eles seriam forçados a aceitar condições desfavoráveis em um contrato de trabalho individual imposto livremente pelo empregador.

    A carteira "verde e amarela" violaria, ainda, o princípio constitucional da isonomia, criando uma legião de subempregados trabalhando lado a lado com trabalhadores protegidos pela CLT, com uma irônica alusão às cores da nossa bandeira para designar um violento ataque à cidadania dos trabalhadores brasileiros.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

COMUNICADO    COMUNICAMOS QUE ESTE SINDICATO DOS EMPREGADOS DE AGENTE AUTÔNOMOS DO COMÉRCIO, ENCERRARÁ O SEU EXPEDIENTE NO DIA 21/12/18 (NATAL) E RETORNARÁ AOS TRABALHOS EM 02/01/2019. (ANO...
Os trabalhadores da Ferroport aprovaram em assembleia ontem, dia 12 dezembro, no Sindicato,   a proposta de Acordo Coletivo de Trabalho. Foi aprovado por unanimidade o reajuste   salarial so...
EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Pelo presente edital, ficam convocados os empregados das Categorias representadas pelo Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio e em...
Após a EMGEPRON oferecer uma proposta de reajuste zero nos salários e benefícios para 2019, o SINDAUT protocolou pedido de audiência no Ministério Público do Trabalho para que o Procurador do Trabalho...
SAIBA QUAIS SÃO AS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO, E PARA QUAIS PASTAS SERÃO TRANSFERIDAS De acordo com futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, atribuições serão divididas em três difere...